Erros mais comuns com SEO de comércio eletrônico

BF Digital Search > SEO > Erros mais comuns com SEO de comércio eletrônico

Um e-commerce tem diversas nuances as quais normalmente impactam negativamente na performance orgânica, isso se deve pelo fato de a maioria das plataformas de comércio eletrônico não são pensadas e construidas para o SEO, oferencendo em seus painéis administrativos poucas alterações voltadas para este fim como Títulos e meta descrições das páginas.

De uns anos para cá, algumas plataformas começaram a contemplar pontos importantes de SEO como tags canonicals, URL amigável, title, description, entre outras, entretanto existem muitos elementos de SEO que são técnicos, o que exige um esforço maior das plataformas e webmasters para conseguirem corrigir ou implementarem, o que ocasiona diversos erros de SEO e que são mais comuns do que parece.

Hoje vamos explorar quais são os erros mais comuns com o SEO de comércio eletrônico.

Qual a importância do SEO para o e-commerce?

Nos últimos anos o cenário de comércio eletrônico, isso em âmbito mundial, tem crescido cada vez mais e desde o início da pandemia causada pela covid-19 este cenário cresceu drásticamente, pois os consumidores foram forçados a utilizar a internet para continuar o consumo.

Para termos uma ideia em números, 0s sites de varejo receberam 22 bilhões de visitas globais, segundo uma pesquisa realizada pela empresa Statista em junho de 2020, ante 16,07 bilhões de visitas em janeiro. De acordo com Wunderman Thomson , 43% dos consumidores agora se sentem mais otimistas com relação às compras online e quase 40% estão mais confortáveis ​​com a tecnologia digital do que antes do surto e do fechamento das lojas. Isso significa que o comércio eletrônico deve crescer ainda mais em 2021.

Pensando neste cenário, se o seu site não estiver otimizado e os clientes não tiverem a melhor experiência, eles procurarão e comprarão em outro lugar. É ai que entra o SEO que é o conjunto de técnicas e estratégias que faram com que sua loja virtual esteja nas primeiras posições no Google, fazendo com que seu público alvo encontre seus produtos e consequentemente aumente o tráfego e receita em sua loja online.

Vamos aos erros!

Erros de SEO em e-commerce

1. Os rótulos dos links de navegação não estão alinhados com a linguagem de pesquisa do comprador

Os sites de comércio eletrônico precisam garantir que a navegação do menu esteja alinhada com a hierarquia de decisão do comprador, ou seja, que contenham os rótulos apropriados e amigáveis ​​ao cliente. É comum que as lojas virtuais usem uma linguagem interna ao definir categorias de produtos e rótulos de menu, mas isso pode criar um desalinhamento com os clientes se os rótulos não descreverem os produtos da maneira que eles esperam.

Isso pode levar a dois problemas:

  1. Lacunas de cobertura de consulta para pesquisa orgânica, pois o conteúdo da página não inclui as palavras-chave mais relevantes que os compradores usam ao pesquisar
  2. A métrica de engajamento da página cai quando os clientes não conseguem encontrar o que procuram nas páginas de destino, reduzindo o sinal de qualidade.

Em diversos estudos realizados, no qual foram trabalhados um grande número de sites de comércio eletrônico, sobre como os compradores pesquisam nos diversos nichos de mercado, notamos que haviam diferenças sutís na linguagem entre como os produtos e categorias são nomeados pelos donos de lojas virtuais e como seus respectivos compradores pesquisam, por exemplo um e-commerce que vende “detergentes” e possui uma categoria listando estes produtos, é muito mais provável que os consumidores pesquisem por “lava louça”:

Diferença entre volume de pesquisa de palavras-chave

É claro que entram outros fatores, que neste caso é a intenção de busca, por exemplo quem está pesquisando “lava louça” pode estar em busca de um eletrodoméstico e não reflete ao interesse pelo lava louças (detergente) por exemplo, o que poderia posicionar o site do exemplo para uma busca que não é a intenção do usuário.

Partindo desta premissa, deixamos algumas dicas para que você possa fazer esse tipo de otimização:

  • Cruze a pesquisa de palavras-chave de SEO com sua hierarquia e rótulos de catálogo de produtos online
  • Certifique-se de que as categorias principais estejam alinhadas com a linguagem de consulta baseada em volume
  • Detecte os rótulos de filtro de verificação nas páginas de lista de produtos e atualize se os rótulos não estiverem alinhados com o idioma de pesquisa do comprador
  • Enriqueça as páginas do produto com dados de atributos para permitir a cobertura de palavras-chave relacionadas relevantes.

2. Não otimizar páginas para velocidade móvel e verificar as novas métricas Web Vitals do Google

A velocidade da página impacta a classificação, que é conhecida desde 2018. As equipes de comércio eletrônico precisam ficar de olho em como o Google mede a velocidade da página porque você pode achar que seu site é rápido, mas não atende aos benchmarks do Google.

Muitos sites ainda se concentram na criação de belas experiências de marca, e a otimização da página e a consideração do desempenho são deixadas para o último minuto. Essa é a abordagem errada – você deve envolver desenvolvedores e SEOs desde o início, fazer UX e decisões de design que sejam balanceadas com requisitos de comércio eletrônico e desempenho. Trata-se de encontrar um equilíbrio; uma página SEO perfeita que parece lixo e não converte não é um sucesso, nem um design impressionante que os clientes amam, mas não consegue classificar e você perde tráfego.

Instale a extensão Google Chrome Web Vitals e ative-a quando estiver trabalhando em qualquer nova página de destino ou atualizações nas páginas existentes. A página recebe luz verde? Se não, antes que o pânico se instale, compare com seus principais concorrentes SERPs – você está à frente? Se estiver, o custo / esforço de melhorar as pontuações dos sinais vitais da web pode não ser justificado. Fale com seus desenvolvedores para descobrir o que pode ser feito para reduzir o tempo de carga, por exemplo, adiar scripts não essenciais, reduzir o tamanho das imagens.

Teste Core Web Vitals

Use as ferramentas de desenvolvedor do Chrome para obter uma análise mais detalhada e concentre-se primeiro no celular.

Teste Lighthouse performance Google

Mesmo que você não consiga definir um teste do Lighthouse totalmente verde inicialmente, isso fornece uma referência para avaliar as melhorias e também avaliar o impacto das alterações de página.

Dicas:

  • Instale a extensão do navegador Google Web Vitals no Chrome e execute-a para as principais páginas de destino
  • Verifique novamente os sinais vitais da Web quando as páginas forem atualizadas e após os principais lançamentos.

3. Não maximizar o uso de páginas filtradas para pesquisas de cauda longa

Os filtros inteligentes melhoram a localização do produto e ajudam os compradores a tomar decisões de seleção. Para a maioria dos sites de comércio eletrônico, quando um filtro é aplicado, um parâmetro adicional é adicionado ao URL, criando efetivamente um URL exclusivo. Vamos usar a página da categoria Acessórios Femininos na Farfetch como exemplo:

URL padrão: https://www.farfetch.com/br/shopping/women/accessories-all-1/items.aspx

Agora filtre por cor = azul

URL atualizado: https://www.farfetch.com/br/shopping/women/accessories-all-1/items.aspx?view=90&colour=7

Então o que isso quer dizer?

Esses links são rastreáveis ​​por robôs de mecanismos de pesquisa. Isso significa que, se você não usar os controles de indexação, acabará com um grande número de URLs de valor potencialmente baixo com conteúdo duplicado ou muito semelhante, todos lutando uns contra os outros para vencer a batalha na SERPs (Página de resultados do Google). Isso simplesmente dilui a força do seu SEO.

Uma solução simples e abrangente é garantir que os parâmetros de URL adicionados por filtros de navegação facetada sejam excluídos do índice, por meio de uma combinação de abordagens, incluindo:

  • Definir uma metatag noindex
  • Anexar parâmetros após um # para que não sejam lidos
  • Usando o robots.txt (embora seja aconselhável fazer isso por meio do Google Search Console)

Controlar os URLs enviados ao índice de pesquisa é importante para o SEO. No entanto, bloquear todos os URLS criados por filtros não é necessariamente uma solução ideal e pode prejudicar sua visibilidade de cauda longa.

Por quê?

Considere o exemplo Farfetch. A página da categoria principal precisa estar visível para os termos de grande volume headtail e longtail, como ‘roupas esportivas femininas’ e ‘roupas de ginástica para mulheres’. No entanto, também há muitas consultas relacionadas a volumes mais baixos que se aplicam a um subconjunto de produtos na categoria de roupas esportivas, por exemplo, ‘tops de roupas esportivas’.

Se você tiver apenas um URL de categoria tentando classificar todas as variações de consulta relevantes dentro do cluster ‘roupas esportivas para mulheres’, ele terá dificuldade para vencer a batalha contra os concorrentes que criaram URLs personalizados para as consultas em demanda. Por exemplo, ‘roupa esportiva fila’ tem um volume de pesquisa 10 vezes menor do que ‘roupa esportiva feminina’, mas se beneficiaria de um URL indexável exclusivo para que o conteúdo da página seja contextualmente relevante e o conteúdo dê um forte sinal de relevância do que um despejo de categoria completo onde Fila é apenas parte do intervalo.

O benefício secundário é para suas equipes de merchandising. Eles agradecerão por dar a eles páginas exclusivas para veicular campanhas de merchandising focadas, em vez de tentar encontrar regras de merchandising genéricas que funcionem para uma ampla gama de produtos e compradores. Por exemplo, com a página Farfetch filtrada pela marca ‘Fila’, o comerciante de comércio eletrônico pode criar banners personalizados Fila e promoções elegíveis apenas para aquela faixa de marca dentro daquela categoria.

4. Não maximizar o potencial de dados estruturados

Estamos agora na era da web semântica. Os dados estruturados são uma forma padronizada de fornecer informações sobre sua página e classificar seu conteúdo; por exemplo, para uma revisão da página de um produto, quantas revisões, qual é cada classificação, qual é o conteúdo de cada revisão, quando a revisão foi enviada, etc.

Marcar páginas é uma maneira importante de ajudar os mecanismos de pesquisa a entender melhor o conteúdo da página e aumentar suas chances de obter rich snippets em SERPs para ajudá-lo a se destacar visualmente de outras listagens.

  • Abaixo estão os tipos de dados estruturados usados ​​com mais frequência para comércio eletrônico:
  • produtos
  • Análise
  • Organização
  • Caixa de pesquisa de sitelinks
  • Migalhas de pão
  • Lista de itens para páginas de categoria
  • Artigo para blogs
  • Como
  • Perguntas frequentes
  • Q&A
  • Pessoa
  • Negócio local

Dependendo do conteúdo que você publica e dos produtos que vende, pode haver outros tipos de dados estruturados relevantes a serem considerados. Por exemplo, sites de mercearia online como o Morrisons fornecem ideias de receitas para seus clientes, e Recipe é um tipo de dados com suporte para marcação. Recomendamos acessar https://schema.org/ e fazer uma avaliação completa de quais tipos de dados são relevantes para cada página principal em seu site.

Que diferença isso faz para minha marca nas SERPs?

Os dados estruturados podem ajudar a fornecer a você:

  • Colocação em valiosos SERPs imobiliários
  • Diferenciação visual
  • Prova social e sinais de autoridade

A captura de tela abaixo do Google para a consulta ‘como cozinhar espaguete à bolonhesa’ mostra o conteúdo visual da caixa de resposta ‘Receitas’. Esse tipo de resultado de SERP normalmente obtém uma CTR (taxa de cliques) melhor do que as listagens orgânicas padrão abaixo.

Página de resultados do Google para receita

5. Breadcrumbs não otimizados

Os Breadcrumb têm dois propósitos importantes:

  • Fornecer aos compradores uma indicação clara de onde eles estão no site = UX play
  • Informar os mecanismos de pesquisa sobre as relações entre as páginas e a hierarquia da página = SEO play

As páginas de produtos (quando visualizadas em conjunto) geralmente representam a maioria das visualizações de página, especialmente para grandes varejistas de catálogo. Facilitar jornadas entre páginas de produtos e também entre produtos e páginas de categorias mais acima na estrutura do site, ajuda os usuários a navegar em seu site e também envia estrutura e hierarquia úteis para os mecanismos de pesquisa quando eles fazem o rastreamento.

No entanto, esses links nem sempre são impressos no site de front-end, portanto, não são visíveis para os compradores. Ou eles não podem ser clicados, portanto, não dá suporte a estruturas de vinculação internas. Além disso, nem todos os sites apresentam uma localização atual clicável no celular. Para a maioria dos varejistas, o celular representa mais de 60% do tráfego.

O exemplo abaixo mostra um caminho de categoria absoluto otimizado na página de detalhes do produto (PDP) para a loja online da Vivara, com o design móvel diferente do desktop para garantir que o conteúdo crítico da página não seja obscurecido ou empurrado para baixo na página.

Exemplo de breadcrumb site

Breadcrumb desktop exemplo site

Dicas:

  • Crie uma estrutura de caminho de categoria consistente para trilhas de PDP
  • Torne-os visíveis para os compradores no site
  • Torne-os clicáveis ​​para benefício de link interno
  • Rastreie as interações por meio de análises da web
  • Adicionar marcação de localização atual
  • Valide a marcação com o Google.

6. Visão geral da pesquisa de perguntas e respostas na otimização do conteúdo do produto

O comportamento de pesquisa do comprador ao buscar informações está em constante evolução e a mudança móvel, incluindo um pico no uso da pesquisa habilitada por voz, está resultando em consultas mais complexas e pesquisas baseadas em perguntas.

A abordagem tradicional para a criação de conteúdo de produto de comércio eletrônico é focar no lado funcional do comércio eletrônico:

  • Qual o nome?
  • Com o que se parece?
  • Quanto isso custa?
  • Qual é a descrição e especificações do produto?
  • Com o que vai bem?
  • Quais são as opções de entrega e devolução?
  • Tem comentários?

No entanto, isso deixa de responder a perguntas específicas que os compradores possam ter que os ajudem a determinar a adequação do produto. Por exemplo, a Samsung reconheceu que, para seus eletrodomésticos, havia uma demanda significativa de pesquisa por questões relacionadas ao ruído, segurança, confiabilidade dos eletrodomésticos etc. Seus parceiros de varejo não respondiam a essas perguntas por meio de suas páginas de produtos de comércio eletrônico, permitindo que a Samsung criasse conteúdo personalizado para atender a essa demanda de pesquisa e enviá-la por meio de seu site D2C, aumentando sua própria visibilidade de SEO.

Use ferramentas de pesquisa de palavras-chave que permitem filtrar pesquisas de perguntas e respostas. A maioria das ferramentas de pesquisa de SEO como Also Asked e o Answerthepublic é uma ferramenta de visualização útil, com uma versão gratuita limitada para teste e uma versão Pro com recursos aprimorados, como alertas para novas perguntas sobre qualquer nome de marca ou tópico.

Alguns sites do ecommerces usam insights da análise de pesquisa de perguntas e respostas para enriquecer os dados do produto, como adicionar novos atributos do produto e, em seguida, permitir que essas páginas sejam indexadas com metadados otimizados.

Dicas:

  • Use ferramentas de pesquisa de palavras-chave para identificar pesquisas baseadas em perguntas relacionadas às suas categorias / marcas de produtos
  • Exporte dados para o Excel (ou equivalente) e, em seguida, filtre para agregar consultas com base em semelhanças
  • Avalie agrupamentos de palavras-chave quanto ao volume de pesquisa e nível de competição
  • Priorize consultas de baixa concorrência / alto volume
  • Anexe blocos de perguntas e respostas às principais páginas de produtos e / ou crie novas páginas de hub de conteúdo que respondam a grupos de consulta e vinculem compradores a produtos relevantes.

Deixe seu comentário

5 × dois =