Intenção de Pesquisa: Criando conteúdo que atenda o usuário

BF Digital Search > SEO > Intenção de Pesquisa: Criando conteúdo que atenda o usuário

Ao pensar em otimizar o conteúdo, sua principal prioridade deve ser a intenção de pesquisa. Isso é fato!

Pense em quantas vezes você digitou algo no Google que era praticamente sem sentido, e o Google entendeu exatamente o que você quis dizer.

Isso é algo que podemos dar como certo, mas é a razão exata pela qual a intenção de pesquisa é tão importante.

É bom ter um volume de pesquisa mensal, mas como é impossível criar demanda, precisamos alinhar nosso conteúdo de alta qualidade e nossas páginas de destino de produtos com a intenção do cliente.

O Google nunca se importou em otimizar nosso conteúdo. Ele se preocupa em servir ao usuário, ou seja, entregar o conteúdo mais relevante e exclusivo para ajudá-lo a encontrar o que procura.

O Google atualiza seu algoritmo com tanta frequência porque quer ter certeza de que está atendendo aos corações, mentes e almas de seus usuários e combinando suas consultas com resultados relevantes.

Neste artigo, analisaremos por que a intenção de pesquisa é a coisa mais importante a ser considerada ao otimizar o conteúdo e como criar uma estratégia de conteúdo com base em pesquisas sobre a intenção de pesquisa.

O que é intenção de pesquisa?

A intenção de pesquisa – também conhecida como intenção do cliente e intenção do usuário – é a principal razão por trás dos usuários que acessam um mecanismo de pesquisa e digitam uma consulta.

Quando alguém visita um mecanismo de pesquisa, ele tem um objetivo específico em mente que está tentando alcançar com sua pesquisa.

Pense em todas as vezes que você usou um mecanismo de pesquisa para realizar pesquisas sobre um produto ou para obter respostas para uma pergunta.

E com o crescimento da pesquisa móvel, agora temos um mecanismo de pesquisa em nossos bolsos o tempo todo.

É por isso que, como profissionais de marketing e SEO, precisamos entender em que parte da jornada do comprador nossos clientes estão quando digitam uma frase específica – e em qual parte do conteúdo ou página de destino devemos segmentar essa frase.

A intenção de pesquisa é realmente a espinha dorsal de uma página de destino bem otimizada e deve ser nosso foco principal ao criar conteúdo em nosso site.

Mas, precisamos ter em mente os diferentes estágios da jornada de pesquisa de um cliente.

Quais são os diferentes tipos de intenção de pesquisa?

Houve muitas vezes em que pesquisei no Google antes mesmo de saber o que estou procurando.

Outras vezes, usei-o para verificar a ortografia ou para me lembrar do nome de um determinado filme.

Na maioria das vezes, podemos agrupar a intenção de pesquisa em três categorias principais.

Veja como você pode planejar e criar conteúdo para atender aos três tipos de intenção de pesquisa a seguir.

1. Informativo

Essas são consultas de pesquisa em estágio inicial em que o cliente ainda está tentando aprender mais sobre o tópico.

Quando um usuário está nos estágios iniciais de pesquisa, nosso objetivo é garantir que o usuário aprenda mais sobre o produto ou serviço.

Estudos mostram que se um usuário aprende algo de um site e o site se estabelece como uma fonte autorizada e confiável sobre o assunto, esse usuário acabará voltando ao site – e convertendo mais tarde, quando estiver pronto.

2. Comparativo (também conhecido como navegacional)

Este é o conteúdo de estágio intermediário em que o cliente procura comparar seu produto ou serviço com outro para ajudá-lo a decidir o que fazer.

Os usuários que estão no estágio intermediário ou comparativo estão tentando ver se realmente precisam do produto ou serviço que estavam pesquisando, ou se existem opções ainda melhores do que as que encontraram anteriormente.

Pense em todas as vezes que você comparou restaurantes diferentes entre si ou dois produtos semelhantes.

3. Transacional

Este é o conteúdo de estágio final em que o cliente está pronto para converter.

A razão pela qual criamos todo o outro conteúdo é para garantir que estamos dando suporte aos nossos usuários e ajudando-os ao longo do caminho, para que eles possam converter.

Nosso conteúdo transacional ou de estágio final geralmente é uma categoria ou páginas de produtos onde queremos que o usuário chegue quando estiver pronto para comprar.

É importante que, ao criar conteúdo, tenhamos certeza de que as frases que estamos segmentando estejam alinhadas com a intenção do que o usuário está procurando.

Ao criar conteúdo e páginas de destino que correspondam a todas as partes da jornada de um usuário, podemos garantir que estamos direcionando as palavras-chave certas na melhor página que o Google deseja mostrar.

Também podemos ter certeza de que somos donos de nossa própria presença digital e aumentando a visibilidade e as conversões.

Enquanto metade da batalha é garantir que nosso conteúdo seja otimizado corretamente, a outra metade é garantir que o Google até queira mostrar nosso conteúdo com base na frase – e é por isso que a intenção de pesquisa é tão importante.

O que torna a intenção de pesquisa tão importante?

Há milhares de fatores diferentes a serem considerados ao fazer uma pesquisa de palavras-chave, como volume de pesquisa, sazonalidade, marca versus não marca, localização etc. Mas a intenção de pesquisa ou a intenção do usuário é a mais importante.

Compreender a intenção do pesquisador garante que estamos priorizando a relevância em nosso conteúdo e em nossas palavras-chave.

Quanto mais frases um usuário estiver digitando no Google ou em outro mecanismo de pesquisa, mais ele estará na jornada do comprador e maior será a probabilidade de conversão.

A intenção de pesquisa também é extremamente difícil de descobrir.

Mas uma vez que você entenda a intenção de pesquisa, a otimização do conteúdo ficará muito mais fácil – pois você saberá mais sobre o tipo de conteúdo que o Google deseja mostrar na página 1.

A principal coisa que devemos considerar é que não estamos decidindo qual é a intenção de pesquisa – o Google é.

Se você for contra o que o Google diz, seu conteúdo não aparecerá na SERP.

Há também muitos casos em que profissionais de marketing ou executivos ficam cegos pelo volume de buscas; em vez de ir atrás das frases de volume mais baixo, eles têm mais chances de ganhar, eles perseguem as frases de volume mais alto – e acabam errando o alvo. 

Como podemos garantir que nosso conteúdo esteja alinhado com a intenção de pesquisa?

Quando você estiver lutando para entender o conceito de intenção de pesquisa, dê um passo para trás de sua empresa e imagine que você é um usuário.

Pense no que você pode pesquisar para chegar ao artigo do seu blog ou à página do produto.

Digite essa frase no Google (de preferência por navegação anônima ou privada, para que não seja personalizada em seu histórico de pesquisa) e veja o que aparece.

Uma análise da SERP (página de resultados do mecanismo de pesquisa) é a melhor maneira de confirmar o que o Google acha que o usuário pode querer ver.

Existem agregadores de conteúdo? Existem sites transacionais?

Existe uma página de resultados de mecanismo de pesquisa mista com conteúdo e conteúdo transacional?

Há muitas vezes em que nem o Google sabe o que o usuário está procurando, então mostra um SERP misto com diferentes tipos de conteúdo.

Ao encontrar essas informações ao vivo nas SERPs, podemos ver o que o Google está recompensando nas primeiras posições e o que ele acredita ser a intenção da consulta do usuário.

A análise SERP é uma das melhores maneiras de usar dados competitivos ao criar conteúdo, porque queremos saber quais frases eles estão usando e ver se podemos competir por essa mesma frase com base na intenção.

Como podemos criar uma estratégia de conteúdo para a intenção de pesquisa?

O conteúdo pode ser rei, mas o usuário tem todo o poder.

Podemos criar o melhor conteúdo do mundo, mas se as palavras-chave que estamos direcionando não corresponderem à intenção do usuário, é tudo por nada.

Trazer tráfego não qualificado não ajuda ninguém e é um desperdício de nosso tempo e energia.

Precisamos ter certeza de que estamos fazendo pesquisas de palavras-chave e competitivas antes de criar nosso conteúdo.

Ao entender quem mais está competindo na SERP, agora sabemos se temos chance de classificação na Página 1.

A pesquisa competitiva também nos permite encontrar palavras-chave semanticamente relacionadas que podemos querer usar no conteúdo. Essas são palavras-chave que não são necessariamente sinônimos, mas estão intimamente relacionadas por natureza.

Palavras-chave semanticamente relacionadas dão aos mecanismos de pesquisa uma melhor compreensão do que é nosso conteúdo e também permitem que usuários que pesquisam coisas semelhantes (mas usando palavras-chave diferentes) encontrem nosso conteúdo.

Uma das melhores maneiras de criar uma estratégia de conteúdo com a intenção de pesquisa em mente é o modelo de marketing de conteúdo em formato de cluster.

Esse modelo de marketing de conteúdo nos permite direcionar nossas palavras-chave transacionais nas páginas principais ou pilar pages e as palavras-chave mais informativas nas páginas complementares.

Ao fazer isso, podemos garantir que tenhamos conteúdo que corresponda a onde nossos usuários podem estar e às diferentes etapas de sua jornada.

A pesquisa de palavras-chave é o pão com manteiga de uma estratégia de conteúdo e é extremamente importante ao entender a intenção de pesquisa.

As palavras-chave com o maior volume de pesquisa podem ser atraentes, mas também podem ser muito vagas e podem não ser as melhores palavras para focar.

Há também muitas vezes em que algumas palavras-chave – singular ou plural – podem ter um significado diferente.

Por exemplo: Se você pesquisar por [TV], poderá procurar um guia de canais de televisão ou o histórico da televisão.

Mas, se você pesquisar por [TVs], provavelmente deseja comprar uma televisão de algum lugar e verá os resultados de pesquisa correspondentes.

O ponto é:

Os profissionais de SEO precisam olhar continuamente para o que já está aparecendo no Google e adotar a perspectiva do usuário ou cliente ao pesquisar.

Devemos segmentar as palavras-chave de maior volume em nossas páginas iniciais ou páginas de categorias.

As palavras-chave de menor volume podem ser segmentadas em subcategorias, páginas de produtos e talvez um artigo de blog.

Ao criar um visual como esse, podemos identificar a quantidade total de palavras-chave que estamos tentando buscar, o que pode nos ajudar a entender quanto conteúdo ou que tipo de conteúdo precisamos criar.

Conclusão

Colocar nossos clientes em primeiro lugar e identificar a intenção de pesquisa de sua consulta é a melhor maneira de garantir que nosso conteúdo corresponda às necessidades de nossos clientes.

Também falamos apenas sobre metade da história: o lado da pesquisa.

A parte empolgante vem quando você pode utilizar uma plataforma de SEO corporativa para monitorar as classificações de palavras-chave e relatar aos executivos as alterações feitas – e como elas resultaram em um aumento significativo no tráfego ou nas conversões.

Ao monitorar e relatar nossas vitórias com frequência, podemos obter mais adesão ao nosso programa de SEO e evangelizar por que o SEO é importante para nossa organização, tornando mais fácil ter um assento à mesa para decisões maiores.

A intenção de pesquisa sempre será o fator mais importante quando se trata de pesquisar palavras-chave e otimizar nosso conteúdo.

As recentes atualizações de algoritmos do Google têm sido muito focadas na experiência do usuário, mas continuam a dar mais ênfase à intenção do usuário e a tornar seu mecanismo de pesquisa mais conversacional para produzir os resultados de pesquisa mais precisos para os usuários.

Portanto, em caso de dúvida, certifique-se de que a intenção de pesquisa e a relevância das palavras-chave sejam suas principais áreas de foco ao criar e atualizar conteúdo.

Deixe seu comentário

6 − 3 =